As Casas de Romaria são um Turismo de Aldeia, no Alentejo, concelho de Mora, distrito de Évora, um Turismo em Espaço Rural (TER).

 

Inserida numa localidade com 600 anos de história, ligado ao culto a N. Sr.a de Brotas e às suas Casas Confrarias. Pretendemos oferecer uma estadia calma e pacata, fora do bulício das grandes cidades, com ligações às tradições e usos de Brotas/ Alentejo. Fazendo do servir e bem-estar dos Clientes uma mais-valia.

A Aldeia

Pitoresca aldeia alentejana, Brotas situa-se 10 minutos de Mora, a cujo concelho pertence, a cerca de 45 minutos de Évora, capital de distrito, e a pouco mais de uma hora de Lisboa.

 

É uma sossegada aldeia no Alto Alentejo que oferece ao visitante uma “tímida beleza”, não fora a existência, como se de uma tela se tratasse, do Santuário de Nossa Senhora de Brotas, que se impõe, de forma marcante, logo no primeiro contacto. Objeto de várias campanhas de obras, desde o século XV ao XVIII, apresenta características marcadamente populares e próprias, enquadrando-se esteticamente na linha do manuelino e do barroco. De realçar o total revestimento azulejar, das paredes da nave, com azulejos de padrão poli cromos, característicos do século XVII, e a galilé, que ostenta simultaneamente características populares e eruditas, e que indiscutivelmente marca a fachada da igreja.

 

A enquadrar o Santuário, as Casas de Confraria, que formaram o primeiro aglomerado urbano da aldeia, constituem um exemplo muito curioso de arquitetura de programa, e são um dos muitos exemplos da profunda devoção que se vivia em redor do Santuário. Casas baixas de paredes caiadas e o risco colorido sobre as ombreiras e sobre as portadas, decoradas com o tradicional mobiliário da região, reproduzem o espírito do Alentejo rural e intemporal. Aqui, na fronteira com o Ribatejo, o hóspede pode evadir-se do quotidiano e desfrutar do sossego do campo.

A História

O Turismo de Aldeia Casas de Romaria está inserido num núcleo habitacional com mais de seiscentos anos de história e um invulgar património arquitetónico, do qual sobressaem o Santuário de Nossa Senhora de Brotas e a imponente Torre das Águias, fazem da aldeia de Brotas um local obrigatório no itinerário de todos aqueles que gostam de conhecer as especificidades e sítios recônditos.

 

Lugar pacato e fora dos circuitos turísticos mais mediáticos, particularmente interessante pelo carácter pitoresco que encerra, a aldeia de Brotas é um verdadeiro reservatório do património cultural e não tem perdido, ao longo do tempo, todo o seu esplendor a nível arquitetónico mantendo na sua maioria as fachadas pintadas de branco com os seus alisares de pedra ou então caiados de branco, azul ou amarelo. O casario desenvolve-se em anfiteatro, subindo e descendo as pequenas colinas, como num presépio gigante.

 

A cerca de 10 minutos situa-se a antiga Vila das Águias., onde existe a robusta e imponente torre que acabou por tomar o nome da vila em que se encontra implantada: a Torre das Águias.

 

A Vila das Águias foi sede de freguesia até 1535, data em que perdeu o estatuto para a freguesia de Brotas, passando a, então, Igreja Paroquial de São Pedro das Águias, a Ermida, sendo atualmente o único edifício religioso existente nas Águias. Encontra-se, porém, desativada ao culto. A Torre das Águias foi erigida na primeira metade do século XVI, provavelmente a mando de D. Nuno Manuel, guarda-mor de D. Manuel I, é composta por quatro pisos, dos quais merece destaque o primeiro, com a cobertura de abóbada com cruzaria de ogivas. É uma monumental construção, com uma implantação marcante no terreno, que segue a tipologia das casas-torre e que testemunha a importância que a Vila das Águias outrora teve.